terça-feira, 14 de junho de 2016

OFERTANDO EM TEMPO DE CRISE


1 Rs 17: 8 e 9 - Veio-lhe então a palavra do Senhor, dizendo: Levanta-te, vai para Sarepta, que pertence a Sidom, e habita ali; eis que eu ordenei a uma mulher viúva ali que te sustente.
 
Encontraremos nesta história momentos envolvendo três personagens: Deus, o profeta Elias e uma viúva - que nem o nome dela é citado, somente que ela é de uma localidade chamada Sarepta.

Deus dá um comando ao profeta, lhe dizendo para ir até a cidade de Sarepta e ficar lá. A promessa é que ele seria sustentado por uma viúva. 



  • SAREPTA - Lugar de fundição, que é o processo de colocar metal líquido em um molde com a forma desejada e depois deixar que resfrie e solidifique. A fundição fala de um processo de transformação onde determinado metal, sob altas temperaturas, muda sua forma e passar a ter a aparência projetada na fôrma.

O Nosso Deus é o Senhor, somos seus servos. Assim como Ele deu o comando para o profeta, hoje Ele nos manda ir ao lugar onde experimentaremos transformação. Elias obedeceu ao Senhor e foi ao encontro do que Deus havia preparado para ele, sem questionar ou até mesmo se demorar.

1Rs 17.10 e 11 - Levantou-se, pois, e foi para Sarepta. Chegando ele à porta da cidade, eis que estava ali uma mulher viúva apanhando lenha; ele a chamou e lhe disse: Traze-me, peço-te, num vaso um pouco d'água, para eu beber. Quando ela ia buscá-la, ele a chamou e lhe disse: Traze-me também um bocado de pão contigo.

O profeta começou sua fala de uma forma tímida, como se estivesse testando se era ela a pessoa designada por Deus. Depois de ver sua atitude da mulher ele pediu aquilo que foi buscar - o alimento, mas a viúva lhe expôs a sua condição limitada.


1Rs 17.12 - Ela, porém, respondeu: Vive o Senhor teu Deus, que não tenho nem um bolo, senão somente um punhado de farinha na vasilha, e um pouco de azeite na botija; e eis que estou apanhando uns dois gravetos, para ir prepará-lo para mim e para meu filho, a fim de que o comamos, e morramos.
 

A visão daquela mulher estava focada para a circunstância. Ela estava tomada pelo medo, já tinha entrado em desistência.

A cada dia somos testados na fé e na confiança em Deus. A história desta mulher pode ser igual a história de qualquer um de nós. Mas o treino proposto é o de crer que há nisso tudo uma provisão preparada para todos. A frase do profeta parece aumentar o nível do teste, mas ela também tinha o objetivo de conduzir a mulher para a tomada de decisão correta.


1Rs 17.13 e 14 - Ao que lhe disse Elias: Não temas; vai, faze como disseste; porém, faze disso primeiro para mim um bolo pequeno, e traze-mo aqui; depois o farás para ti e para teu filho. Pois assim diz o Senhor Deus de Israel: A farinha da vasilha não se acabará, e o azeite da botija não faltará, até o dia em que o Senhor dê chuva sobre a terra.
 

Aquela seca era um castigo pelo pecado e o abandono da fé. Ela durou três anos e meio. Elias já tinha passado cerca de um ano sendo alimentado pelos covos no ribeiro - mas até o ribeiro secou; ainda faltava em torno de dois anos e meio de tempos difíceis pela frente. A atitude certa para vencer a crise era a obediência. O profeta fez exatamente o que Deus lhe mandou fazer. A viúva também precisava fazer a sua parte, ofertar a sua porção antes de receber o que Deus havia preparado para ela.

Somos um corpo, quando todos fazem o que deve ser feito, a bênção alcança o conjunto na sua totalidade. A mulher fez primeiro o pão para o profeta e depois experimentou junto com seu filho e o homem de Deus a provisão contínua, pelo restante do tempo estabelecido para a seca.

1Rs 17.15 e 16 - Ela foi e fez conforme a palavra de Elias; e assim comeram, ele, e ela e a sua casa, durante muitos dias. Da vasilha a farinha não se acabou, e da botija o azeite não faltou, conforme a palavra do Senhor, que ele falara por intermédio de Elias.


Imagine por um ato de fidelidade o Senhor lhe garantir provisão neste nível. É como se hoje Deus dissesse: "Ainda tem trinta meses difíceis pela frente, mas, pela sua primícia Eu vou deixar resguardado uma quantia equivalente a trinta vezes o seu salário para lhe suprir por todo esse tempo.

  • PRIMÍCIA: É a primeira parte, o equivalente a um dia de trabalho, que deve ser entregue ao Sacerdote. 

Ez 44.30 - Igualmente as primícias de todos os primeiros frutos de tudo, e toda oblação de tudo, de todas as vossas oblações, serão para os sacerdotes; também as primeiras das vossas massas dareis ao sacerdote, para fazer repousar uma bênção sobre a vossa casa.
 

Não deixe de ser fiel por conta da crise. Não deixe de honrar aqueles que são autoridade sobre sua vida por conta de um momento delicado. Mude o discurso e a atitude e veja Deus tomar a sua causa e lhe suprir de forma extraordinária.
 
Pra Ana Cunha

Veja mais sobre este assunto em: